Sebenta

Sebenta
.
A edição é da responsabilidade dos docentes da Unidade Curricular de Desenho 2 e surge da necessidade de, por um lado, reflectir sobre o trabalho desenvolvido nas aulas, por outro, de fornecer material de apoio aos alunos. A Sebenta contém textos explicativos das várias fases do programa e é ilustrada com imagens de desenhos dos alunos.
.
«Para nós, docentes, trata-se de aprofundar o significado do desenho e o sentido da sua pedagogia. Trata-se, sem subterfúgios, de melhor compreender o que fazemos: de pensar o que se vê, o que se imagina e se comunica através do desenho, tendo em conta o contexto de um curso de Arquitectura onde o exercício do desenho intervém para articular e montar distintas respostas face às diversas solicitações e âmbitos pedagógicos. Neste sentido, uma Sebenta não é apenas uma ilustração de amostras mais ou menos excelentes, mas uma oportunidade para revermos os parti pris que definem o conteúdo e o carácter da nossa pedagogia.» Vitor Silva

.
------------------------------------------------------------------------------------
.
.
.
SEBENTA (4)
.
Desenho II, FAUP. 2017/2018
35 páginas, cor, formato 24x19 cm
.
+ informações:
Vitor Silva - vsilva@arq.up.pt

.
«A imaginação é a faculdade mediadora entre o mundo sensível e as ideias. Ou, talvez, e ao invés, entre as ideias e a aparência fenomenal das imagens. Ela produz, monta e recria imagens, funções improváveis, impossíveis ou inexistentes, que, em si mesmas, constituem o labirinto das suas próprias transformações, ora sonhadas ora encontradas por acaso.

O visível declina uma ideia de imagem e a ideia do visível declina-se em efeitos, ilusões, equívocos visuais, movimentos do aparecer e do desaparecer. Ao contrário do real, da contingência do já existente, a imaginação opera, justapõe, multiplica, relaciona o que existe e não existe, mas também aquilo que não existindo pode ainda vir a existir. (...)» in "Desenho do imaginário", Vítor Silva
.
.
Coordenação e edição
Vítor Silva
 .
Textos (por ordem de aparição)
Vítor Silva - Desenho do imaginário
Noémia Herdade Gomes - Desenhos a partir da maqueta e da observação do real: “um todo indissolúvel”
Raquel Pelayo - O projeto do desenho no desenho do projeto
José Manuel Barbosa - Comunicação das ideias
.
Banda Desenhada
Marco Mendes
.
Ilustrações
(Desenhos de estudantes produzidos nas turmas dos respectivos docentes)
Marco Mendes: fig. 1-2.
Noémia Herdade Gomes: fig. 3-5.
Raquel Pelayo: fig. 7-8.
José Manuel Barbosa: fig. 9-15.
.
Capa
Desenho de Vasco Marcolin
Design
Luís Lima
Paginação
Marco Mendes e José Manuel Barbosa

(A captação das imagens ficou ao cargo dos respectivos docentes)
.
.
------------------------------------------------------------------------------------
.















.
SEBENTA (3)
.
Desenho II, FAUP. 2014/2015
29 páginas, cor, formato 24x19 cm
.
Desenhos dos Desenhos, Vítor Silva
«Nesta segunda fase de trabalho e estudo procura-se promover na prática dos alunos o encontro e a reflexão sobre alguns aspectos da história, da cultura e da experiência do desenho de arquitectura.
O desenho, na sua nomeação e concepção genérica, coexiste necessariamente com a sua formulação plural, com a sua memória expressiva e com a sua sempre renovada função criativa. O desenho existe porque há desenhos, porque existe uma tradição artística e crítica e porque essa longa duração, também pedagógica e operativa, persiste no presente, como uma potencialidade aberta a um novo espaço de actualização.
(...)
Os exercícios de cópia procuram, de modo empírico e experimental. confrontar princípios e consequências, ao extrair da economia do processo construtivo e expressivo dos desenhos uma ressonância operativa capaz de pôr em causa a estrutura formal e a potencialidade sensível e sensorial das superfícies.»
.
- Desenhos dos Desenhos, Vítor Silva
- Desenhos dos Desenho e Interpretação (desenho de cópia), José Manuel Barbosa
- Desenhos dos Desenhos: cópia de desenhos, Noémia Gomes
- Os Desenhos dos Desenhos, Raquel Pelayo
- Exercícios de Cópia, de Interpretação e de Versão, Luís Fortunato Lima
- Desenhos dos Desenhos: exercício a partir do "lixo", Marco Mendes
.
------------------------------------------------------------------------------------
.












.
SEBENTA (2)
Desenho II, FAUP. 2012/2013
46 páginas, preto e branco, formato 24x19 cm

.
.

«Na sequência da 1ª edição da Sebenta (2011/2012), que considerou uma panorâmica geral dos princípios, dos objectivos e dos efeitos práticos do ensino de Desenho II, decidimos retomar, de acordo com o propósito que então nos guiou, uma abordagem mais
focada e detalhada sobre aspectos teóricos, instrumentais e metodológicos que constituem a nossa pedagogia no curso de Mestrado Integrado em Arquitectura da FAUP.
Desta vez, centramo-nos no núcleo do programa lectivo respeitante à primeira fase de trabalho e estudo, que se desenvolve no período compreendido entre Setembro e Dezembro, (...) "Análise do real: representações e figurações de um lugar"». Vitor Silva
.
- Introdução
- Colocar o(s) problema(s)
- Desenho: representação e projecto
- Os conteúdos teóricos; espaço, corpo e representação
- Enquadramento
- Dos resultados
- Nota Final
Vitor Silva
.
- Revisão da matéria
- A perspectiva
- O enquadramento
- O desenho estrutural e a medida das coisas
- Imagens: desenhos/ respostas aos exercicíos propostos
Marco Mendes
.
- Análise do espaço da FAUP
- Imagens: desenhos/ respostas aos exercicíos propostos
Luís Lima
.
- Síntese final
- Imagens: desenhos/ respostas aos exercicíos propostos
Armando Ferraz
.
Alunos representados:
Maria João André, Susana Ribeiro, Filipa Russel, Henrique Matiz, Joana Graça, Ana Pinheiro,
Beatriz Sousa, Juliana Gonçalves, Francisca Mesquita, Marta Ascenso
.
Coordenação e edição:
Vitor Silva
.
Captação/ tratamento das imagens e design:
Luís Lima
.
Abril 2014

.  
-------------------------------------------------------------------------------------
.










Sebenta (1)
Desenho II, FAUP. 2011/2012
116 páginas, formato 24x19 cm
.
.
«Entre os materiais de desenho há lápis ‘gordos’, lápis de cera, pastéis de óleo e os inevitáveis borrões que vêm sujar o mais delicado e precioso desenho. Nas mãos do desenhador não surpreende, por isso, uma certa sujidade. Nos desenhos,
no mais cuidadoso desenho, a grafite ou carvão, a lápis de cor ou aguarela, acontecem sempre os imponderáveis vestígios - acidentais ou não - manchas e outras marcas. Mesmo nos desenhos mais ‘cristalinos’ podemos perceber a existência – subjacente, reiterada - de processos menos ‘limpos’. (...)». Vitor Silva
.
- A sebenta!
- Para que serve
- Desenho II e Projecto
- Perspectiva e perspectivas
- Nota final
Vitor Silva
.
1. Revisão da matéria: a perspectiva
2. Análise de um espaço: a FAUP, "siíntese"
3. Análise de um lugar: o sítio
4. Desenhos a partir da maquete
5. "Síntese" final
6. Desenho dos Desenhos
7. Aplicação: objectos como arquitecturas
8. Aplicação: o Projecto
9. O esquema: variações de cubos
10. Aplicação no Projecto
11. As sombras
12. Percurso
13. A relação com o sítio
14. Estudos e ensaios do painel
15. O painel
16. O caderno (diário gráfico)
.
Alunos representados:
Bruno Meleiro, Teresa Fagulha, Guido Porta, Diogo Romero, Teresa Osório, Catarina Machado,
Daniela Silva, Ana Rita Vale, Maria Abreu, Madalena Vidigal, Diogo Paixão, Rita Cunha,
Rui Pestana, José Silva, Afonso Quintã, Joana Costa, Natascha Cabral, Orlando Guimarães,
João Pagaimo, Sara Camponez, João Barros, Raul Aguiar, Beatriz Teixeira, Miguel Menezes,
Fábio Santos,
.
Design:
Luís Lima e Marco Mendes
.
Desenho da capa:
Guido Porta
.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
.
.
.
.
.



Sem comentários:

Enviar um comentário